Canção lapidada

Regou tanto as flores
Me afogou
Regrou tantas palavras
Que meu papel rasgou

Espero que tome
Teus pertences
Espero que beba o discurso
Que me engasgou

Não aguardo o teu adorno
Mas já quis o teu transtorno

Meu sinal no teu percurso
Em minha curva não há retorno

Ficou a pobre rima
Para o teu esforço de beleza
Que é o que arruína

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s