Legado

Morreu e me desviveu
O vácuo que a noite deixa na rua
A coberta que seria tua
E o meu ventre, de vento teu

Um pão pra amargar um gesto mais sutil
Um tropeço na palavra para o medo hostil

E eu
Sem sabor
Sigo o caminho impregnado
Pelo lugar que já cheguei

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s